Páginas

Sinopse:
Geralt de Riv é um personagem estranho, um mutante que, graças à magia e a um longo treino, mas também a um misterioso elixir, se tornou um assassino perfeito. Os seus cabelos brancos, os seus olhos que vêem melhor de noite que de dia, o seu manto negro, assustam e fascinam. E Geralt dedica-se a viajar por terras pitorescas, ganhando a vida como caçador de monstros. Pois nos tempos obscuros que lhe couberam em sorte abundam ogres e vampiros, e os magos são especialistas da manipulação. Contra todas essas ameaças, um assassino hábil é um recurso indispensável. Ora Geralt, que é ao mesmo tempo um guerreiro e um mago, tem capacidades que o fazem impor-se a todo esse estranho mundo. É um feiticeiro. E é absolutamente único.

No decurso das suas aventuras, encontrará uma sacerdotisa autoritária mas generosa, um trovador lascivo mas de bom coração, e uma feiticeira caprichosa, de encantos venenosos. Amigos por um dia, amantes de uma noite. Talvez porém que no final da sua epopeia ele possa realizar o seu último desejo: reencontrar a sua humanidade perdida…



A minha opinião:
Apesar de ter estado muito tempo sem dar notícias o vício de ler não foi esquecido, apenas diminuiu o seu ritmo. E para me acompanhar numa altura difícil, não poderia ter escolhido melhor livro.
Construído sob a forma de pequenos episódios ou pequenos acontecimentos, tal como se de uma série de televisão se tratasse, os capítulos vão retratando as aventuras e peripécias de um feiticeiro-mutante nómada que viaja de terra em terra à procura de pequenos trabalhos a lutar com diversos monstros e homens mágicos, de forma a libertar as populações da destruição ou escravidão.


Adorei acompanhar a personagem Geralt (que desde as primeiras páginas se chama Geraldo), como se de um MacGyver do fantástico se tratasse. Cada capítulo era iniciado e em pouco tempo lido. Como a leitura era empolgante, tentei sempre começar um novo capítulo quando tinha uma ou duas horas vagas para poder levá-lo até ao fim.
O livro está bem escrito e a tradução, apesar de não ser acompanhada de revisão, não possui muitos erros.
De valorizar a escolha da imagem da capa que tem tudo a ver com o seu conteúdo.
Apesar de ter gostado bastante do livro, o seu final deixou um pouco a desejar. Talvez porque eu goste de finais, quer sejam finais felizes ou infelizes, mas de um END. Não foi isto que encontrei. O fim é deixado em aberto, ao critério de cada um de nós.
Assim, na minha humilde opinião, acho que foi um livro com um excelente início e meio, mas com um desfecho irritantemente insuficiente e insípido.
6/10
Lido a 12 de Maio de 2010

2 comentários

Iceman disse...

Nah.

Isso de fantasias já me chagam as imensas banhadas que tenho apanhado.

:D

Miar à chuva disse...

Olá Iceman,
Só depois de ter feito esta crítica é que me apercebi que este livro tem continuação.
Mas ultimamente ando como tu dizes: só banhadas quanto ao mundo fantástico... más escolhas é o que são.
Obrigada pela visita e pelo comentário
Sandra

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger