Páginas

Sinopse:
As Pontes de Madison County é a história de Robert Kincaid, fotógrafo famoso, e de Francesca Johnson, mulher de um agricultor do Iowa. Kincaid, de 52 anos, é fotógrafo da National Geographic — um estranho e quase místico viajante dos desertos asiáticos, dos rios longínquos, das cidades antigas, um homem que se sente em desarmonia com o seu tempo. Francesca, de 45 anos, noiva italiana do pós-guerra, vive nas colinas do Iowa com as memórias ainda vivas dos seus sonhos de juventude. Qualquer deles tem uma vida estável, e no entanto, quando Robert Kincaid atravessa o calor e o pó de um Verão do Iowa e chega à quinta dela em busca de informações, essa estabilidade desaba e as suas vidas entrelaçam-se numa experiência de invulgar e estonteante beleza, que os marcará para todo o sempre. O resultado é uma história apaixonante e profundamente comovedora, que foi levada ao cinema por Clint
Eastwood, com Meryl Streep no papel de Francesca.

A minha opinião:
Este foi um daqueles livros que sempre tive curiosidade em ler. É um livro muito pequenino mas com imenso conteúdo.
O que nos é contado é o breve romance entre um fotógrafo que está de passagem e uma dona de casa. Francesca é de origem italiana e sempre teve as expectativas altas. Sempre sonhou com romance, amor, paixão e aventura, mas não é com isso que vive. Francesca vive como muitas donas de casa, com um marido agricultor que nada tem de sonhador mas com uma visão do mundo muito prática e mundana. Para o marido de Francesca um jantar à luz das velas, seguido de um breve passeio de mãos dadas para observar as estrelas é um completo disparate, uma tolice. É talvez por isso que quando aparece Robert Kincaid ela se apaixone de imediato por ele e se perca numa relação tão fogosa quanto breve. Na minha opinião, Francesca apaixonou-se pela imagem/ideia do homem que Robert mostrou ser. Um homem vivido, carinhoso, amável e cuja liberdade é essencial para viver e no modo desse viver. Mesmo a Francesca descreve Robert da seguinte forma: "Num certo sentido, ele não pertencia a este mundo. (...) Sempre o achei uma criatura parecida com um leopardo que viajava na cauda de um cometa." Excerto da página 130
No entanto, ninguém que leia este livro, pode negar que os dois viveram uma relação só equivalente a uma chama intensa e muito rápida. Como aqueles incêndios que vemos no telejornal que acontece frequentemente na Austrália: muito violento e com uma voracidade e velocidade que tornam-no impossível de apagar. Penso que é esta a imagem perfeita para esta paixão.
Gostei muito da escrita deste autor que tem capacidade de, em poucas páginas, descrever perfeitamente o ambiente sentimental que só os envolvidos da relação podem sentir. Fiquei com muita curiosidade em experimentar outros livros deste autor.
Agora só me falta tentar arranjar o filme que admito nunca ter visto :-/
7/10
Lido a 4 de Fevereiro de 2009

5 comentários

tonsdeazul disse...

Gostei da história do livro, mas não gostei de ver o filme. Não sei bem porquê, mas na altura desiludiu-me. Parecia que não tinha nada a ver com o que tinha imaginado ao ler o livro.

Miar à chuva disse...

Olá Tonsdeazul,
Geralmente prefiro ler o livro antes de ver o filme, e este foi mais um desses casos.
Mas confesso que estou curiosa para ver o filme ;-)
Obrigada pela visita
Sandra

Pedro disse...

Hei-de ler este livro!!!

Miss Alcor disse...

É um dos melhores livros de todo o sempre! (E um dos meus preferidos, claro!)
Acho que é impossível ficar-se indiferente.

Miar à chuva disse...

Olá Pedro,
Estava na mesma situação que tu ;-)
Este era um daqueles livros que estava na estante à tempo demais e eu que até tinha comprado a versão compacta e mais barata livro de bolso).

Olá Miss Alcor,
Não posso dizer que seja um dos meus favoritos, mas posso afirmar que adorei a fluidez e aparente simplicidade da escrita do autor ao descrever ambientes íntimos e sentimentos. Gostei!

Aos dois muito obrigada pela visita!

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger