Páginas

Sinopse:
Mil e Um Fantasmas é uma das raras obras de Dumas dedicada ao fantástico, ao terror e ao sobrenatural. Através de uma original estrutura narrativa, encaixa diversas histórias separadas.
Durante um dia de caça em Fontenay-aux-Roses, Alexandre Dumas testemunha uma horrível tragédia: um homem que assassinara a mulher acaba de se entregar à polícia. Está aterrorizado: depois de decapitar a mulher com um sabre, a sua cabeça rolou na direcção dele e acusou-o. Nessa noite, Dumas é convidado pelo presidente da câmara para jantar. Devido aos acontecimentos do dia, cada um dos convivas relata uma história - cada uma mais aterradora que a anterior - acerca de acontecimentos inexplicáveis ou de natureza sobrenatural. Entre histórias de fantasmas, vampiros, espíritos vingativos e maldições eternas, uma suspeita prende-se à mente do leitor: os mortos podem caminhar entre os vivos…

A minha opinião:
Desconhecia esta faceta de Alexandre Dumas, um autor que conhecia pelos seus romances mais terra-a-terra e não retratistas do mundo sobrenatural como este livro.
Tudo começa com um rumor de que um homem de bom carácter tinha acabado de assassinar a própria mulher. Este rumor em breve é confirmado como sendo real, espantando todos os que conheciam o casal envolvido. Entre as testemunhas encontra-se Dumas.
Após o chocante e estranho relato do homicídio, Dumas é convidado para um jantar na casa do regedor. É neste jantar que o narrador e autor é apresentado a uma série de pessoas, cada uma com uma estória invulgar para contar. À medida que o jantar avança, somos apresentados aos pequenos contos relatados pelos convidados deste jantar.
É um livro que me deu algum prazer, principalmente nos últimos contos "A bracelete de cabelos" e "A história da Dama Pálida".
5/5
Lido a 10 de Abril de 2009

1 comentário

Janaína Moraes disse...

Queria comentar em um livro que já tivesse lido, mas não achei nenhum, que péssimo.
Tenho um bog de livros tbm, passa lá.

Bjos

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger