Páginas

Sinopse:
O brilhante romance histórico de Barry Unsworth retrata a forma como a guerra entre Muçulmanos e Cristãos influencia a mente e o coração de Thurstan, um cavaleiro que ama duas mulheres.

A corte do rei Rogério na Sicília do século XII gira à volta de paixões voláteis de Cristãos, Muçulmanos, Judeus, Latinos e Gregos. Entre eles, um jovem normando chamado Thurstan Beauchamp arranja emprego sob a tutela de Yusuf, um muçulmano que controla os cordões da bolsa do rei cristão. Mas enquanto Thurstan deseja ser agraciado com o título de cavaleiro, não lhe interessam as intrigas da corte e em vez disso divide o seu tempo entre o que é divino – sob a forma da sua querida de infância Lady Alicia – e o que é delicioso: a sensual e exótica dançarina Nesrin.
No entanto, na sua procura pelo amor e cavalheirismo, Thurstan tem ainda de se aperceber de que pode ser um peão num jogo muito mais mortífero.


A minha opinião:
Apesar de na capa se ler que o The Times considerou este livro como "Tão intenso como O Nome da Rosa", eu tenho de o negar pela simples razão que apesar do filme "O nome da rosa" ser um dos meus filmes favoritos, o livro que lhe deu origem já lhe peguei pelo menos 2 vezes e não consigo acabar de o ler; e sinceramente este livro do Barry Unsworth lê-se bastante bem.
 
Este livro é um romance histórico na sua mais pura forma. É um livro que nos transporta para o século XII e que facilmente compreendemos os usos e costumes dos vários povos daquela altura.
Numa Sicília dividida entre Cristãos e Muçulmanos, Thurstan Beauchamp é o provedor real de prazeres e espectáculos. Um jovem católico que trabalha para muçulmanos. Ora nesta época de tensão e conflitos religiosos, tal situação não poderia nunca levar alguém a um final feliz, ainda para mais sendo tão inocente e ignorante das verdadeiras jogadas que os outros realizam à sua volta como Thurstan parece ser.
 Graças a esta sua característica, Thurstan vai-se encontrando em situações cada vez mais complicadas ao ponto da sua vida ser quase arruinada. É ao longo destas atribulações que vamos simpatizando cada vez mais com este jovem adulto e compreendendo o ambiente volátil em que a alta sociedade se movimentava. As traições, essas vão ser muitas e os mistérios e mortes também, mas Thurstan vai aprendendo em quem deve confiar e em que momento é melhor para revelar a as suas verdadeiras intenções de modo a evitar a sua própria ruína e consequente morte. Pois uma das mais importantes lições que Thurstan aprende é que todos têm uma intenção mais ou menos perversa, mas no momento das culpas serem atribuídas há sempre algum inocente que se torna o bode espiatório.
 
Mas voltando ao enredo... Numa das suas muitas viagens para comprar os mais variados e exóticos artigos para a corte, Thustan é enviado para Calabria para tratar da compra de pássaros destinados à caça. Numa incursão pelos variados mercados da zona, Thurstan encontra uma trupe de dançarinos que viajam da Anatólia oriental e logo começa a negociar com estes para que possam actuar na corte do Rei Rogério. Após todas as negociações, Thurstan consegue o que queria e um pouco mais - a admiração de uma das dançarinas. Mas nesta viagem Thurstan encontra a mulher que amou e não esqueceu, Lady Alicia. Só que Lady Alicia tem outros planos para Thurstan que envolvem o assassínio de uma das mais proeminentes figuras muçulmanas da Sicília. E o resto é para ser lido...
 
Apesar deste livro ter um início um pouco confuso, este livrinho é uma boa aposta para acrescentar à lista do "A comprar" na próxima Feira do Livro. Ainda mais porque a editora está a comercializá-lo a 5 euros (ver aqui).
 
Já agora, tenho de admitir que apesar da editora Civilização ter optado pelo mesmo design da publicação da Penguin, gostava muito mais que tivessem optado por uma destas versões mais atraentes e cativantes:
 
Editora: Hamish Hamilton
Editora: Nan A. Talese
 
6,5/10


2 comentários

v_crazy_girl disse...

Adoro estas promoções da civilização, dos livrinhos a 5euros :P já comprei dois livrinhos lá com esses descontos ihihih

E esta crítica chamou.me a atenção... deu para ver que não +e nenhuma obra prima, mas um livro que se lê bem e que até é recomendado =D

Bjs*

Miar à chuva disse...

Os livros querem-se bons e baratos ;)
E este, mesmo não sendo uma obra-prima é bastante bom.
Obrigada pelo comentário ;)

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger