Páginas

Sinopse:
Ela é bela. Ela é brilhante. Ela é uma assassina.
Após dez anos no encalço de Gretchen Lowell, o detective Archie Sheridan é raptado e torturado durante dez dias pela lindíssima serial killer. Mas, no final, ela decide, misteriosamente, libertá-lo e entregar-se às autoridades.
Gretchen é condenada a prisão perpétua, enquanto Archie é condenado a outro tipo de prisão: viciado em vários medicamentos, não é capaz de regressar à sua antiga vida e não consegue esquecer aqueles dez dias de tortura... nem Gretchen.
Quando outro assassino começa a raptar e assassinar raparigas adolescentes de Portland, Archie é convidado a voltar ao activo e a liderar a equipa que vai investigar os crimes recentes.
A nova investigação dará início a um jogo mortal entre Archie, o novo assassino e... Gretchen Lowell.



A minha opinião:
Quando um assassino em série começa a raptar e a assassinar raparigas sem deixar nenhuma pista viável, o primeiro pensamento das autoridades é reactivar a brigada da Beleza Assassina e o seu chefe Archie Sheridan. Mas os elementos desta brigada sentem a sua confiança fragilizada, afinal conseguiram apanhar a pior e mais terrível assassina de que há memória mas com um custo demasiado elevado.
À medida que Archie e os seus colegas vão investigando este novo caso, nós os leitores vamos descobrindo aos poucos o que se passou entre Archie e Gretchen. Porque afinal algo de muito estranho e anómalo deve ter acontecido para que Gretchen o tivesse assassinado para logo depois o ressuscitar, chamar as autoridades e entregar-se. Algo de muito tortuoso e perverso deve estar ainda a acontecer para que Archie continue a visitar Gretchen na cadeia todos os domingos.
Esta foi sem dúvida a parte do livro que mais me conquistou. A curiosidade em saber e o receio de descobrir o que afinal se passou verdadeiramente naquela cave durante dez longos dias.
Quanto a este novo caso que Sheridan investiga revelou-se, para mim, demasiado óbvio. Ainda estava a cerca de 100 páginas de acabar e já sabia a identidade do(a) culpado(a). Mas mantive-me a ler até ao final apenas para descobrir mais sobre esta extraordinária relação entre Archie e a terrível Gretchen.
Não acho que este livro seja um bom livro mas sim um bom começo. Querendo eu dizer que espero que a Porto editora publique o próximo da série pois serei das primeiras a comprá-lo, embora aproveite já para confessar o meu aborrecimento pelas gralhas parvas que por vezes aparecem ao longo do livro e que com uma simples revisão desapareceriam. Exemplo: "Extraiu a cave do carro da bolsa e saiu da sede da patrulha fluvial" Excerto retirado da página 340.
Quanto à tradução achei-a bastante boa (pelo menos não detectei nada de extraordinário) e os meus parabéns pelo bom trabalho ao tradutor Fernando Dias Antunes.
6,5/10
Lido a 11 de Junho de 2009

3 comentários

Débora Lauton disse...

Oi querida...

Deixei um selinho para você no blog... depois dá um pulinho lá...

beijos,
Dé...

Miar à chuva disse...

Oh! Vou já ver :-)
Obrigada Dé

Migalhas disse...

:D Até parece que foi combinado!
Acabei de ler este livro exactamente no dia em que publicaste a tua opinião, mas só agora consegui escrever duas ou três linhas sobre ele...
Pelo que li da tua opinião, estamos de acordo, podia ser bem melhor. Não sabia que era uma série ;)

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger